Esportes

Análise: Cuiabá expõe as carências do Botafogo

Em tempos de Copa do Brasil visada tanto pelo atalho para um título quanto pelo prêmio milionário, a derrota esportiva se confunde com o desastre financeiro. Ainda mais para um clube que vive a dificuldade do Botafogo. Nesta terça-feira, em casa, o alvinegro ficou contra as cordas no torneio: carente de armas diante de um Cuiabá desfalcado, mas organizado, perdeu por 1 a 0. O jogo de volta será terça-feira.

Não é fácil transformar o elenco do Botafogo num time equilibrado. Rafael Forster vinha tendo dificuldades como primeiro volante e Bruno Lazaroni ontem tentou Cícero. A ideia era melhorar o passe, mas o resultado foi ampliar a lentidão na troca de passes e a falta de dinâmica de um meio-campo com ele, Honda e Caio Alexandre.

Além disso, o time raramente conseguia um desarme no campo ofensivo. Com isso, sempre que atacava o fazia contra um rival posicionado atrás. E seu jogo se tornava ainda mais travado.

Até havia ideias, como a busca por triangulações pelos lados, com Bruno Nazário e Rhuan por vezes buscando um corredor mais central. Mas além da falta de ritmo com a bola, o elenco se tornou escasso de velocidade na frente. A única boa jogada do primeiro tempo foi um cruzamento de Victor Luís que terminou em bicicleta de Caio Alexandre.

gol surpreendente

O Cuiabá criou uma boa chance, nem incomodava tanto, tampouco sofria. Até encontrar seu gol de forma improvável. Honda entrega pouco em mobilidade, intensidade, mas não se imaginava que teria papel vital no jogo num erro de passe que resultou no gol de Matheus Barbosa.

Lazaroni tirou Cícero e, minutos depois, Rhuan, para colocar Lecaros e Matheus Babi. O peruano foi para a ponta esquerda e Babi partia da direita para se juntar a Pedro Raul na área. O Botafogo ganhou um pouco de agilidade à frente e fez alguns desarmes: o jogo aconteceu mais no campo ofensivo, também porque o Cuiabá já se dedicava apenas a defender. A dez minutos do fim, Pedro Raul teve a chance de ouro após cruzamento de Kevin.

Mas a bola alta virara a única alternativa alvinegra, ainda mais após Lazaroni lançar Kelvin e passar de vez ao 4-2-4, com dois pontas e dois centroavantes. Foi pouco para furar a defesa do Cuiabá.

Fonte

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo