Empreendedorismo

Justiça suspende despejo contra a TNG

Com o pedido de recuperação judicial protocolado recentemente, a varejista TNG obteve a suspensão por 180 dias das ordens de despejo dos pontos comerciais em shopping centers. A decisão foi tomada na quarta-feira, 9, pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

“Os pontos comerciais são uma fonte de renda muito importante para a recuperanda. Retirá-la desses locais impactaria diretamente em sua recuperação judicial, e consequentemente na sobrevivência da companhia e no pagamento das dívidas com os seus credores, inclusive com os próprios locadores”, comenta Odair de Moraes Jr, sócio do escritório Moraes Jr. Advogados, que assessora a recuperação judicial da TNG.

Ele afirma que, nos próximos dias, a companhia deve apresentar o plano de recuperação judicial.

Histórico da crise

Em maio, a empresa, que já enfrentava dificuldades antes da crise decorrente da pandemia, entrou com pedido de recuperação judicial. Na época, creditou a decisão aos quase 50 dias em que parte de suas lojas ficaram fechadas em 2021. Durante a pandemia, foram fechadas 70 lojas da rede, que permanece com 100 unidades.

Fundada há 37 anos, a TNG é uma loja de varejo de roupas. No início, só produzia roupas masculinas e, após alguns anos de mercado, em 1999, a TNG iniciou no mercado feminino. Além das lojas TNG, a marca está presente em 300 multimarcas e nas vendas online, o tng.com.br.

Com informações de Estadão Conteúdo

Imagem: Reprodução




Fonte

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Notamos que você usa um Adblock ativo!

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso site. Por favor, deslique seu Adblock para que possamos gerar receitas através dos anúncios. Não vai sair do seu bolso. ;)