Política

O fracasso da democracia, por Xico Graziano

Findou em 1985 a ditadura militar. Passados 35 anos, a democracia brasileira, tão esperançosa, vive uma agonia. A cada eleição, piora a podridão do sistema político. Estamos num beco sem saída.

“O fracasso da democracia no Brasil” é o título, exagerado e provocativo, de meu novo livro (Ed Almedina). Trata-se de uma crônica, recheada com artigos publicados no Poder360, que conta meandros da política recente. Uma história que vivi, conheci por dentro.

Aquilo que, lá atrás, prometeram para a minha geração, não vingou. A redemocratização, prometida como panaceia para os males da sociedade, permitiu que a corrupção crescesse sem parar. Mais liberdade, maior sem-vergonhice política.

A imundície se instalou no centro do poder. Federal, estadual e municipal. Sim, há exceções. No geral, estamos sonsos vendo o Estado falido e o oportunismo político brilhando. É incrível, e nojento, testemunhar a democracia brasileira driblando tão facilmente os códigos de conduta ética e moral.

Por complacência de um povo generoso, ou por uma maldita idiotia coletiva, estamos nos afundando na lama malcheirosa da política. Brigamos entre nós mais do que deveríamos, enquanto os abutres espertamente espiam para recolher seus nacos. Riem de nossa cara.

Nenhum partido se salvou da desgraça que destruiu a democracia brasileira. O PSDB, partido que ajudei a fundar, e pelo qual me elegi deputado federal, também se enterrou na corrupção, como os demais. Partidos envelheceram. Pior. Transformaram a política em polpudos negócios.

Hoje está claro. A eleição de Jair Bolsonaro espelhou, exatamente, o fracasso da democracia brasileira. E, como se verifica, aprofundou a tragédia. Nem a esquerda que estava no poder era uma esquerda moderna, e sim populista e corrupta, nem a direita que venceu é uma direita liberal, e sim autoritária e militarista. Após décadas de exercício democrático, assistimos no Brasil à passagem da desgraça para a desgrama política.

O problema pouco tem a ver com Bolsonaro. Vem de longe a degeneração da democracia brasileira. Grandes líderes, mesmo que honestos e corretos, foram coniventes, lascivos, permitiram que o mal crescesse, e se apoderasse da democracia, contaminando-a. O maligno Mecanismo se enraizou. Empresários curvaram-se ao ganho fácil da corrupção. E a organizaram em planilhas.

O Judiciário, infelizmente, também não permanece imune nessa crise da democracia. Conhece-se a podridão em suas vestes. Todos sabem, e preferem se aquietar, temerosos por retaliações. Afinal, um deputado você pode xingar sem temor, mas um juiz, tome cuidado. Jornalistas fingem que apenas os políticos são sem-vergonhas. Não é verdade.

É desconfortante, quase angustiante, colocar o dedo nas feridas da democracia brasileira. O mundo, porém, não vai acabar devido ao seu fracasso. Essa é a boa notícia. Que lições podemos tirar desses 35 anos de “liberdades democráticas”?

O progresso de uma nação, ou a felicidade de um povo, não se medem somente pela equação política. Metade da população não acredita nos seus representantes parlamentares, deles não espera mais nada. Para os eleitores absenteístas, que crescem a cada ano, a prosperidade depende do próprio esforço, das iniciativas que toma, das oportunidades que aproveita. Pouco importa quem governe.

No Brasil, a vida de boa parte da população continuou seguindo em frente enquanto a democracia fracassava. Nem o descrédito nem o roubo de dinheiro público obstruíram sua progressão. As pessoas vivem mais, têm mais saúde, usufruem da tecnologia, consomem, estudam, planejam, viajam.

O país até que melhorou, mas quem garante que foi por obra da política?

Esse é o grande aprendizado: nós não precisamos mais dos políticos para viver. E não me venham citar Bertold Brecht. Foram-se os tempos de outrora.

Minha crônica conta, no fundo, a história de minha própria desilusão política. Eu não acredito em mais nada, nem em ninguém. Nem em salvador da pátria, nem em renovação. E declaro, em alto e bom som: perdi a vontade de votar. Que se encontre, sei lá como, uma saída para essa porcaria.

Reforma política, já!

Mas, como esperar que os malandros, eles que dominam a política, prejudiquem a si próprios?

Qual força popular poderia, em nome da decência, consertar a democracia brasileira?

Não sei, nem pretendo, responder a tais questões. Exerço tão somente meu direito de gritar: a democracia brasileira fracassou.

Finalizo dizendo: a péssima educação é a tragédia das tragédias do Brasil.

A prova final do fracasso de nossa democracia.

Continuar lendo

Fonte: Poder360

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo