Tecnologia

‘One More Thing’: saiba o que esperar do último evento da Apple no ano

'One More Thing': saiba o que esperar do último evento da Apple no ano

‘One More Thing’: saiba o que esperar do último evento da Apple no ano

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Nesta terça-feira (9), a Apple realiza mais um evento para anunciar seus produtos. Será o terceiro em um período de três meses: o primeiro foi dedicado a revelar iPads e renovar a linha de Apple Watch. Na sequência, veio o tradicional evento de iPhones, apresentados em outubro em vez de setembro por causa da pandemia. E o que vem agora?A empresa guardou para a apresentação desta semana uma transformação tecnológica importante em uma de suas categorias mais tradicionais: os Macs. Pela primeira vez, a companhia passará a usar processadores com arquitetura ARM no lugar da x86 da Intel, que é padrão nos computadores da empresa desde os anos 2000, quando o PowerPC foi abandonado.Veja o que esperar da apresentação:Novos MacbooksEsses são praticamente garantidos. A empresa confirmou durante a WWDC deste ano que os primeiros Macs a utilizarem Apple Silicon, os novos processadores da empresa com arquitetura ARM, sairiam neste ano, e não há mais espaço no calendário para outro evento de anúncio de produtos, já que dezembro costuma ser um mês morto na indústria.Segundo a Bloomberg, a empresa trabalha em três Macbooks. São dois modelos Pro, com telas de 13 e 16 polegadas, e uma atualização do Macbook Air, com painel de 13 polegadas. A Foxconn ficará encarregada da montagem dos dois notebooks menores e a Quanta Computer produzirá o Macbook Pro de tela grande.Novos desktops: iMac e Mac ProA Apple talvez não apresente, mas também está trabalhando para renovar seus desktops. Isso inclui um novo modelo tudo-em-um, o iMac, e o Mac Pro, o computador mais poderoso da companhia, voltado principalmente para uso em empresas.Este será um desafio para a Apple. Até hoje, as aplicações mais comuns para processadores ARM são celulares, que tendem a privilegiar economia de energia em vez de desempenho. A companhia precisará provar que o Apple Silicon será capaz de demonstrar a potência de um desktop, mesmo abandonando o tradicional x86.Segundo a Bloomberg, o novo Mac Pro deve manter o design do modelo anterior (o “ralador de queijo”), mas com um tamanho menor, como resultado de mais eficiência. No entanto, a companhia ainda precisará incluir outros componentes que não terão benefício nos ganhos do Apple Silicon, como GPU e drives de armazenamento.Data de lançamento do MacOS 11 Big SurA Apple anunciou o MacOS 11 durante a WWDC, finalmente saltando da versão 10 para a 11 após quase duas décadas, e desde então ele está em fase de testes. Com a apresentação de novos Macs, é provável que a empresa também anuncie quando o sistema operacional será liberado de forma definitiva aos usuários.AirTags e AirPods StudioEstes dois produtos estão em especulação desde que a Apple começou a realizar seus eventos do segundo semestre. As AirTags, especificamente, são mencionadas há mais de um ano como um possível lançamento, apesar de ser um produto que não combina com o lançamento de Macs.As AirTags são um tipo de etiqueta que podem ser acopladas a outros objetos para evitar que eles se percam. Com isso, é possível rastrear o aparelho e recuperá-lo. Elas emitem um sinal sem fio que permite o rastreamento do equipamento em que estão ligados.Já os AirPods Studio seriam uma nova forma da Apple expandir o sucesso de seus fones de ouvido. Os fones teriam um formato diferente, “over-ear”m feitos para cobrir toda a orelha em vez de apenas ser plugado no canal auditivo.Os fones devem contar com cancelamento de ruído ativo e sensores que o permitem reconhecer quando está colocado sobre os ouvidos ou quando está pendurado no pescoço do usuário para interromper ou continuar a reprodução. Os fones também devem ser diferentes dos fones da Beats, que pertence à própria Apple, e tem vários modelos over-ear.

FONTE ORIGINAL

Fonte

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo