Política

Pazuello anunciou que Coronavac seria adquirida ‘uma vez que outras vacinas’, rebate Doria


João Doria (PSDB), governador de São Paulo, rebateu a certeza do presidente Jair Bolsonaro sobre a vacina Coronavac, e afirmou que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, “anunciou que a vacina do Butantan, assim uma vez que outras vacinas, assim uma vez que a da Fiocruz e outras que venham a ser aprovadas pelos protocolos da Anvisa, seriam adquiridas para imunização dos brasileiros.”

 

 

A enunciação foi dada em coletiva de prensa em frente ao Congresso Pátrio, onde Doria teve reuniões com senadores. Ele também se reuniria com o ministro Pazuello, mas o encontro foi cancelado devido a uma suspeita de infecção por Covid-19.

“A nossa posição, uma vez que governador do estado de SP, é que a vacina do Butantan é a vacina do Brasil, é a vacina de todos os brasileiros. Nós não classificamos vacina por razões políticas ou ideológicas, partidárias ou eleitorais.”, disse Doria. “Desde o início defendemos as vacinas – a do Butantan, de Oxford, e outras que poderão vir seguindo esse mesmo protocolo.”, complementou.

Nesta quarta-feira 21, Bolsonaro afirmou que o governo não irá comprar a vacina chinesa “de João Doria” antes de comprovação científica. “O povo brasílio não será cobaia de ninguém”, escreveu Bolsonaro nas redes sociais.

Em resposta, o governador, que acumulou desafetos contra o presidente no período da pandemia, afirmou que apoia Pazuello e que o ministro agiu “corretamente” e foi “aplaudido por 24 governadores de estado, por senadores e deputados que estavam presentes nessa reunião”.

Segundo Doria, a conferência virtual que desembocou na enunciação de que haveria compra também contou com a presença dos líderes do governo na Câmara e no Senado, o deputado Ricardo Barros (PP-PR) e o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE).

“Não é ideologia, política, processo eleitoral que salva. É a vacina. Eu peço a compreensão do presidente Jair Bolsonaro em seu sentimento humanitário para compreender que seu ministro da Saúde agiu corretamente, fundamentado na ciência, na saúde, na medicina, e priorizando a vida dos brasileiros. Não há razão para objurgar, recriminar um ministro da Saúde por ter agido corretamente.”, afirmou o governador.

No momento, existem quatro vacinas em temporada de testes no Brasil – todas com protocolos aprovados pela Anvisa. Caso os fármacos demonstrem sucesso, eles passam pelo crivo técnico e científico da Anvisa antes de qualquer liberação para o Programa Pátrio de Imunização (PNI).

 

Fonte

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo