Política

PT adia decisão sobre quem apoiar na Câmara e propõe unidade à esquerda

A Comissão Executiva Nacional do PT se reuniu nesta 6ª feira (11.dez.2020) com congressistas do partido e decidiu tentar construir unidade com as siglas de esquerda nos processos de sucessão da Câmara e do Senado.

O partido não se decidiu pelo apoio, na Câmara, a Arthur Lira (PP-AL), Marcos Pereira (Republicanos-SP) ou o ainda desconhecido candidato de Rodrigo Maia (DEM-RJ). Também não há indicativo de uma candidatura própria divulgado. Havia expectativa sobre possível decisão do partido sobre o assunto nesta 6ª.

“A Comissão Executiva Nacional será convocada, juntamente com as bancadas, quando houver necessidade de deliberação sobre o tema”, diz o documento divulgado. As eleições nas Casas serão em fevereiro.

A sigla sugere 2 eixos para construção da unidade com os outros partidos de seu campo político. Devem cobrar os seguintes compromissos dos postulantes às presidências de Câmara e Senado que vierem a apoiar:

  • Pauta “compromisso com uma agenda mínima contra retrocessos no campo dos direitos e da pauta econômica para o país”;
  • Espaços“cumprimento da proporcionalidade [observância do tamanho das bancadas na distribuição dos principais cargos da Casa] entre os partidos na ocupação dos espaços de direção e comissões nas Casas do Congresso e nas relatorias das matérias legislativas”.

O 1º item importa no Legislativo porque os presidentes das Casas têm o poder de decidir quais projetos serão votados. Se Jair Bolsonaro enviar uma proposta para afrouxar a legislação sobre armas, por exemplo, e 1 dos 2 presidentes não pautar o projeto não sai do papel.

A bancada do PT é a maior da Câmara, onde a disputa pela presidência está mais delineada. Tem 54 deputados. Em conjunto, os opositores têm cerca de 130 deputados. Como a Câmara tem 513 integrantes, se todos votarem é necessário que 1 candidato tenha 257 votos para ser eleito.

No Senado, onde cenário é mais incerto, o PT tem 6 representantes. Se todos os senadores votarem, são necessários 41 votos para eleger o presidente da Casa.

Outro importante partido de esquerda também discutiu a sucessão na Câmara. O PSB decidiu vetar alianças com Arthur Lira. Isso porque o deputado é o candidato favorito de Jair Bolsonaro na disputa. Ele é líder do Centrão e se aproximou do Planalto ao longo de 2020.

Continuar lendo

Fonte: Poder360

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Notamos que você usa um Adblock ativo!

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso site. Por favor, deslique seu Adblock para que possamos gerar receitas através dos anúncios. Não vai sair do seu bolso. ;)