Política

Tebet sobre indicações ao STF: ‘problema está muitas vezes no nome apresentado’


A presidente da Percentagem de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Simone Tebet (MDB-MS) afirmou, sobre as críticas de que o Senado é “carimbador” das indicações do Executivo para o Supremo Tribunal Federalista (STF), que “o problema está muitas vezes no nome apresentado ao Senado”.

 

 

Segundo Tebet, em entrevista ao via de notícias GloboNews, os filtros para a indicação de um novo nome ao Supremo Tribunal Federalista começam desde a escolha do presidente da República, que deve indicar alguém com notório saber jurídico e ilibada reputação.

“O problema está muitas vezes no nome apresentado ao Senado e essa é a sátira histórica, não estou falando deste sabatinado”, disse a senadora sobre o questionamento que deve ocorrer nesta quarta-feira (21) na CCJ com Kassio Nunes, sugerido pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar o lugar do ministro do STF Celso de Mello, reformado no último dia 13.

“Recebemos muitas críticas agora, até de parlamentares ou mesmo da prensa, que as sabatinas da CCJ normalmente deliberam favoravelmente ao indicado e que deveria ter alguma mudança regimental. O problema não está no regimento ou no rito, porque, se cumprirmos todos os prazos, dá uma média de três dias de sabatina. A questão ao meu ver não é neste sentido”, disse Tebet.

Entre as alternativas, Tebet defendeu a proposta de emenda à Constituição (PEC) desarquivada, que acaba com a vitaliciedade das indicações do Supremo e impõe a escolha a nomes constantes em lista tríplice composta por indicações do Supremo Tribunal Federalista, Ordem dos Advogados do Brasil e Procuradoria-Universal da República.

“Esse é o ponto. O ponto principal é o filtro inicial é ali que eu vejo problema”, afirmou a senadora. Segundo a presidente da CCJ, “não tem uma fórmula perfeita, mas esta PEC é um pouco melhor do que aí está, sem incerteza nenhuma”.

 

Fonte

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo