Notícias

Um em cada três desconhece CPI da Covid no Senado, indica pesquisa – Notícias

Uma pesquisa divulgada nesta sexta-feira (7), pela revista Exame, encomendada ao instituto Ideia, mostra que um em cada três brasileiros desconhece a criação da CPI da Covid no Senado Federal. A maioria (67%), porém, já sabe que há uma investigação em curso para apurar gastos do governo federal, estados e municípios na pandemia.

Questionados sobre as razões para a implantação da comissão, 59% disseram aprovar uma CPI para analisar a gestão dos governos na pandemia, enquanto 34% não aprovam ou desaprovam a ideia. Apenas 7% reprovam a iniciativa.

A pesquisa ouviu 1.230 pessoas com mais de 16 anos de idade em todas as regiões do país. A margem de erro da pesquisa é de 3 pontos percentuais e o nível de confiança chega a 95%.

Os respondentes também opinaram sobre eventuais mudanças que a CPI trará para os gestores públicos brasileiros na hora de investir o dinheiro do cidadão. Para 45%, a comissão vai “mudar a abordagem do governo federal em relação à pandemia”, enquanto, para 30%, não vai mudar nada. Outros 25% não souberam opinar.

Sobre os rumos da CPI do Senado, quatro em cada dez (41%) disseram que queriam que a comissão “aumentasse o ritmo de vacinação no país”. Outros 32% miram apontar “os culpados por falta de vacina e falta de equipamento” durante a pandemia. Além disso, 15% querem aumento no “auxílio emergencial para a população” e 9% não souberam. Demais assuntos foram apontados por 3%.

Alvos da CPI

A pesquisa quis saber os nomes mais importantes já ouvidos ou que ainda precisam prestar depoimento na CPI.

Mais da metade (51%) indicaram o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que já falou aos senadores; 49% apontaram os governadores; 43% querem ouvir o ex-ministro Eduardo Pazuello; 32% aguardam a fala do presidente da Anvisa; e 24% miraram no ex-ministro Nelson Teich, que também já depôs.

Entre os principais governadores a serem ouvidos na CPI, os respondentes apontaram o de São Paulo, João Doria, com 29% das opiniões; o do Amazonas, Wilson Lima, com 18% da preferência; o da Bahia, Rui Costa, com 7%; e Claudio Castro, do Rio de Janeiro, com 6%. Completam a lista Camilo Santana (Ceará) e Ibaneis Rocha (Distrito Federal), cada um com 4% dos apontamentos.

Como fica a economia?

A maior parte dos entrevistados disse que mudou hábitos de distanciamento social e uso de máscaras diante do agravamento da pandemia, com mais de 400 mil mortes por covid – 77% dos que alteraram alguma prática contra 23% que nada fizeram.

Entre as principais mudanças, estão deixar de encontrar amigos e parentes (38%), frequentar comércios e shoppings (35%), ir a restaurantes (14%), trabalhar (9%) e outras práticas (4%).
Quanto ao emprego, dois em cada três (67%) informaram que o trabalho foi impactado pela pandemia – contra 33% que nada notaram. Praticamente o mesmo percentual (68%) falaram que a renda foi afetada, contra 32% que não sofreram mudanças no salário.

O recebimento do auxílio emergencial, do governo federal, ficou bem dividido entre os entrevistados: 52% não receberam e 48% ganharam o benefício. Quanto à nova rodada do benefício, iniciada em abril de 2021, dois em cada três disseram que voltaram a ganhar a grana (68%).

Entre as principais aplicações do dinheiro do auxílio, estão a compra de comida (71%), pagamento de dívidas atrasadas (26%), gastos com transporte (2%) e outros casos (1%). Para quatro em cada dez entrevistados, o auxílio termina em dezembro. Outros 18% apontam julho de 2021 como término do benefício e 11% miram 2022 para o fim do pagamento – 30% não souberam.

Aprovação de Bolsonaro

Metade dos brasileiros reprova tanto a gestão atual do governo federal como o trabalho de Jair Bolsonaro à frente do Palácio do Planalto, mostra o levantamento.

Em relação à administração Bolsonaro, 50% a consideram ruim ou péssima, 23,8% a julgam regular e outros 24% dizem acreditar ser ótima ou boa. Outros 2% dos respondentes não souberam ou se recusaram a responder. O levantamento mostra que seis em cada dez (64%) dos que têm ensino superior avaliam o governo Bolsonaro como ruim ou péssimo.

O estudo também perguntou aos entrevistados qual a avaliação do presidente Bolsonaro como principal gestor do país. Mais da metade (52%) desaprovam a postura do ex-militar, enquanto 24% estão satisfeitos com Bolsonaro. Outros 22% ficaram em cima do muro, ao não aprovar ou desaprovar, e 2% não souberam.

“A gente vê claramente que há uma estabilidade na aprovação presidencial. Ótimo e bom estão completamente na margem de erro e ruim e péssimo, também. Vale destacar a força do presidente no Centro-Oeste e a recuperação da aprovação no Norte. Isso se deve ao primeiro mês inteiro da volta do auxílio emergencial. Também vale destacar como o presidente tem performado mal nos grupos de ensino superior e de renda mais alta. É o efeito do ritmo lento de vacinação”, diz Maurício Moura, fundador do instituto.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Notamos que você usa um Adblock ativo!

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso site. Por favor, deslique seu Adblock para que possamos gerar receitas através dos anúncios. Não vai sair do seu bolso. ;)